10 tendências para 2015

Segundo semestre de 2015 e no meio de um ano de crise, resolvemos falar um pouco sobre algumas tendências de consumo. Esta lista é toda sobre oportunidades de recurso. As tendências são apenas um meio para o sucesso da inovação.

1. HABILIDADES DE IMEDIATO.
Alimentada por tudo, desde a concorrência em massa ao narcisimo digital, centenas de milhões de consumidores se importam menos com o que eles tem ou podem comprar e mais sobre o que eles podem fazer ou criar. Com desejos de maximização de estilo de vida ainda tão intensa reduzindo, se não eliminando, as barreiras para a criação de alta qualidade, será a chave para deliciar os consumidores aspiracionais em todos os lugares em 2015. Ciente de como o Instagram criou uma massa de artistas-fotógrafos instantâneos, tente dar início a um brainstorm perguntando como seus produtos e serviços dão prosumers às habilidades instantâneas que vão exigir em 2015.

2. FAST-LANING
Em 2015, esperamos que os clientes sedentos de tempo continuamente exijam opções de serviços físicos acelerados, especialmente de marcas que eles costumam expandir sua lealdade.
Nesse ano, mais consumidores vão esperar que as marcas que eles alimentam e, muitas vezes, gastam muito tempo, forneçam uma “pista rápida” opcional no local de tempo de espera.

3. FAIR SPLITTING
Deixe os m-payments facilitarem novas maneiras de compartilhar e dividir os custos e adicionar novo valor para os consumidores.
Em 2015 o pagamento móvel via plataformas se tornou comum. O Starbucks, por exemplo, processa 7 milhões de pagamentos móveis em uma semana nos EUA. A Apple Pay viu 1 milhão de cartões cadastrados em seus três primeiros dias após o lançamento. Até 2017 estão previstos para ser 450 milhões de usuários de pagamento móvel, acima dos 245 milhões no final de 2013.
O Fair Splitting utiliza novas formas de ferramentas em tempo real e dados para ajudar os consumidores a compartilhar os custos perfeitamente.
Um estudo recente descobriu que 45% dos Millennials nos EUA e Reino Unido gostariam de usar seus celulares para dividir as contas com os amigos. Seu desafio para 2015 deve ser transformar o momento do pagamento em um momento de prazer para seus clientes.

4. INTERNET OF SHARING THINGS
Em 2015, a Internet of sharing things e a Economia Compartilhada colidem para permitirem um novo mundo de compartilhamentos ativos: espontânea, útil, divertido, rentável e muito mais. Quanto mais objetos tornam-se conectados, novas formas de derivar o valor a partir deles serão possíveis para os consumidores, o acesso compartilhado é um.

5. BRANDED GOVERNMENT
2015 será o ano para as marcas progressivas iniciarem, realizarem ou apoiarem a transformação cívica.
Em todo o mundo, os consumidores sabem que as autoridades públicas estão se esforçando para resolver muitas questões sociais e econômicas em face do financiamento e/ou sistemas ineficazes. De fato, 73% dos Millennials não acreditam que os governos podem resolver tais problemas sozinhos, e 83% querem que as empresas se envolvam mais. É por isso que em 2015 as marcas com visão no futuro vão intensificar o desafio da mudança real e significativa na área cívica. Identificando deficiências governamentais e – quer através de parcerias ou trabalhando diretamente com a comunidade – efetuar uma mudança positiva real e duradoura.

6. POST-DEMOGRAPHIC CONSUMERISM
Pessoas de todas as idades e em muitos mercados estão construindo suas próprias identidades mais livremente do que nunca. Como resultado, os padrões de consumo não são mais definidos pelos segmentos ‘tradicionais’ demográficos, como idade, sexo, localização, renda, situação familiar e muito mais. Os consumidores ricos ainda são (geralmente) os primeiros adotantes de inovações. Mas agora produtos, serviços e marcas de sucesso irão transcender seus dados demográficos iniciais quase que instantaneamente. Logo, não deve-se nunca parar de digitalizar todos os dados demográficos para novas inovações relevantes .

7. CURRENCIES OF CHANGE
Em busca do bem-estar, força, novas habilidades, conhecimento e mais, os consumidores de 2015 irão abraçar recompensas movidas a dispositivos que incentivem comportamentos.
O impulso para o auto aperfeiçoamento é profundamente enraizado, mas muitas vezes há um abismo entre a aspiração e a relidade. Definir o abismo contra o fato de que 66% dos consumidores sentem que o valor de troca entre consumidores e marcas é unilateral enquanto 70% sentem que as marcas estão motivadas por um desejo de aumentar os lucros, em vez de por um compromisso sincero aos seus clientes. Em 2015, as marcas inteligentes irão olhar para inverter esse quadro.

8. SYMPATHETIC PRICING
Vimos acima que os consumidores vão abraçar recompensas por bom comportamento. E como as marcas podem intervir a prestação de serviços públicos essenciais. O SYMPATHETIC PRICING olhou para como e porque os consumidores vão abraçar votos, descontos e promoções compassivas que apoiam uma causa compartilhada ou aliviam dores pessoais.

9. ROBOLOVE
Jeff Bezos disse recentemente a acionistas que a Amazon teria 10.000 robôs Kiva até o final de 2014, e que isso poderia reduzir os custos para uma ordem média de 20-40%. E enquanto custos menores serão fundamentais para a narrativa robô, negócios inteligentes serão o planejamento não apenas como os robôs podem diminuir seus custos, mas como eles também podem aumentar a satisfação dos clientes.
Inspire-se nos exemplos a seguir em torno de como usar robôs para iniciar um melhor serviço ao cliente: mais confiável, mais rápido, mais rico, mais pessoal, mais conveniente… Lembre-se que o ROBOLOVE irá liberar seus funcionários (humanos) das partes mais repetitivas de seus papéis, e libertá-los para se concentrar nas tarefas valiosas, mais envolventes (que irá aumentar ainda mais a sua satisfação, e assim, a dos seus clientes também).

10. BRAND STANDS
Assista (quase todas) marcas de perto, e você seria perdoado por pensar que era sua missão ser o mais anódino possível. Uma das razões pelas quais, em 2015, essa estratégia não poderia ser mais equivocada é que muitos consumidores acreditam que marcas devem falar para fora: 73% dos Millennials acreditam que as empresas devem compartilhar um ponto de vista sobre questões e 73% também acham que as empresas devem influenciar os outros a se envolver em um problema. Em outubro de 2014, analisamos a forma como em 2015 marcas farão reais e tangíveis sacrifícios para as pessoas, a sociedade e o planeta. Mas e se o seu CEO/cliente não está pronto para isso? Pelo menos dê uma BRAND STAND em algo que interessa os consumidores.

Fonte: http://ht.ly/QlfC7

Inspirações Relacionadas