11 marcas que sobreviveram à falência

Rosana Ameixieira
Rosana Ameixieira CCO e Owner Zero11

Atualmente, é comum ler sobre empresas e marcas que estão em ascensão ou declínio. Com um mercado tão competitivo e saturado, há pouco espaço e tolerância para erros. Às vezes, uma campanha ou decisão errada pode colocar a empresa em apuros, e até mesmo levá-la à falência.

Mas e as companhias que acabaram ressurgindo? Nesta matéria, iremos contar a história de grandes marcas e pessoas que se recusaram a ouvir sua sentença de morte e conseguiram retomar, igualar ou até sobrepor sua antiga glória.

1. Converse
Fundada em 1908

A converse dominou o mercado de esportes desde a sua criação, no início do século 20, até a década de 1970. No entanto, com a ascensão da Nike e Adidas, a Converse começou a cair, tendo declaração de falência em 2001.

Em 2003, a Nike comprou a Converse mudando o foco de esportes para estilo, começando assim um renascimento que fez com que a empresa obtivesse receitas anuais que atingem US $1.7 bilhões.

2. Donald Trump

Após o sucesso da Trump Tower em meados dos anos 80, Donald Trump parecia ser uma pessoa inabalável. Mas este pensamento foi equivocado e comprovado com a primeira falência de seus empreendimentos no início dos anos 90, com uma dívida de aproximadamente US $2 bilhões.

E foi cedendo suas participações em investimentos e desenvolvendo projetos de abrangência social que Trump conseguiu dar a volta por cima de não só uma, mas quatro falências.

3. Jaguar
Fundada em 1922

Um carro clássico britânico, a Jaguar foi comprada pela Ford em 1990, que investiu bilhões na marca, mas nunca teve um lucro em sua propriedade da empresa em 18 anos. A Ford vendeu a Jaguar (e Land Rover) para a indiana Tata Motors, em 2008, por US $2,3 bilhões.

Em 2013, a Jaguar duplicou suas vendas globais para 76,668. A mudança de estilo e a campanha “Is good to be bad” ajudaram o ressurgimento da marca.

4. Walt Disney

Após ser demitido de seu trabalho em um jornal por sua “falta de imaginação e boas ideias” , Walt Disney saiu do seu emprego, em 1921, e se juntou ao seu irmão Roy e o amigo Ubiwerks para fundar uma produtora, a Laugh-O-Gram que criava animações de contos de fadas.

Os desenhos do trio começaram a ser exibidos nos cinemas do Kansas antes das sessões de filmes.

Durante um período, o estúdio fechou um acordo com uma distribuidora de Nova Iorque que apenas pagava pelas animações seis meses depois de recebê-las, e foi nessa época que Disney viu seus negócios indo à falência.

Foi em 1923, após fazer uma animação de higiene bucal para um dentista da região, que Walt Disney conseguiu dinheiro suficiente para levar sua produtora para Holywood.

Lá, o estúdio fechou um contrato com a Universal Studios, que passou a comprar e exibir as animações do trio.

5. Polaroid
Fundada em 1937

Popular nos anos 70 e 80, a Polaroid morreu junto com a criação das câmeras digitais. A marca cessou a produção em 2007 e entrou em falência no ano seguinte. Voltou a produzir em 2010, pois se tornou popular entre os hipsters e com os descolados selfie takers.

6. H.J Heinz

Aos 25 anos, Henry John Heinz e Clarence Noble fundaram a empresa Heinz & Noble, em 1869, para vender conservas de repolho, em potes transparentes, preparadas pela mãe de Heinz. Em 1870, eles já fabricavam mostarda e pouco tempo depois picles e vinagres.

Apesar do sucesso nas vendas, em 1875 a empresa foi à falência devido ao excesso de produção.

A salvação da empresa aconteceu em 1876, quando Henry acreditou ser possível vender ketchup em larga escala. E através do Slogan “Blessed relief for mother and other women in the household!” que fez com que as donas de casa americanas se convencessem pela comodidade do molho já preparado.

7. LEGO
Fundada em 1949

Foi em 2003 que os problemas da LEGO começaram quando a empresa sofreu uma queda de 35% das vendas nos Estados Unidos e uma perda de 29% em todo o mundo. Porém, um ano depois, a marca foi reanimada pelo novo CEO Jorge Vig Knudstorp, assumindo contratos lucrativos com Star Wars e Toy Story.

8. George Foreman

O ex-campeão mundial dos pesos-pesados ganhou muitos milhões de dólares, porém o boxeador não soube administrar bem seus ganhos e faliu. Anos depois, Foreman entrou no mercado das grelhas, o que fez com que o ex-boxeador recuperasse grande parte de seu dinheiro rendendo uma fortuna de 300 milhões de dólares.

9. Domino’s
Fundada em 1960

A empresa criada por dois irmãos, originalmente chamada DomiNicks era conhecida durante a década de 1980 pela sua garantia de entrega em 30 minutos. No entanto, após um motoboy avançar o sinal vermelho e atingir uma mulher, a garantia parou.

Conhecida pela velocidade, não pela qualidade, a Domino’s viu uma luta na década de 2000. A reformulação da marca foi feita em 2009 com uma inteligente estratégia de marketing online.

10. Milton Hershey

Milton Hershey sempre soube que tinha dom para fazer doces, ainda mais depois de passar quatro anos como aprendiz em uma loja de doces antes de abrir a sua própria na Filadélfia, em 1876.

Seis anos depois da abertura de sua loja, Hershey a viu em falência, o que o fez voltar para sua casa na Pensilvânia, onde foi o pioneiro no uso de leite fresco em produções de caramelo e fundou a Lancaster Caramel Company.

Em 1900, Hershey vendeu sua empresa de caramelo por US $1 milhão para que pudesse se concentrar e aperfeiçoar uma fórmula de chocolate ao leite. E, em 1900, encontrou a receita perfeita que o tornou um dos nomes mais conhecidos no mundo dos chocólatras.

11. Nintendo
Fundada em 1974

A Nintendo lançou seu Gameboy em 1981 e dominou o mercado de jogos na década de 1990, antes do lançamento do PlayStation da Sony e do Xbox, da Microsoft, que causaram um declínio rápido para a marca.

A empresa deu a volta por cima trazendo o N64, em seguida o Nintendo DS e o Nintendo Wii – o ultimo vendendo mais de 100 milhões de unidades.

Compartilhe:
Compartilhar linkedin Compartilhar twitter Compartilhar facebook Compartilhar whatsapp Compartilhar e-mail
Comente:

E-mail*
Nome*
Mensagem